sexta-feira, 21 de abril de 2017

(poderia se chamar Allegra D, mas não chama)


Tenho crises de alegria que aparecem em ondas intermináveis. Existo assim. Quando ela bate perco o foco, sem conseguir fazer o que deveria. Atrapalham minha rotina.
Não me recriminem, se fossem como eu entenderiam exatamente como é ter crises assim. Infeliz alegria. Maldita alegria.

Os desavisados se assustam sem saber de onde vem essa alegria toda. Alguns perguntam:
-Ana, o que você toma para essa alegria?
Eu respondo, quase cansada:
-Sou assim mesmo, desde que nasci. Alégrica.

Céus, vocês tem que ver a minha cara de alegria quando acordo.


*****
Dedico esse post aos meus amados companheiros de caminhada: Celestamine. Loratadina.  Allegra D. Fenergan. Polaramine.

terça-feira, 21 de março de 2017

Pretérito mais que imperfeito

Tudo que é, era.
Tudo o que será, seria.
O que ele seja, se ele fosse.
A morte é injusta até com nosso conhecimento de conjugação verbal.

terça-feira, 14 de março de 2017

! sobre nos sentirmos a imensidão


Simples dois momentos na vida em que nos sentimos como se o mundo fosse pequeno demais.

(1)Quando estamos em uma alegria que beira o êxtase. Andamos na rua segurando gritos. Olhamos para as pessoas como quem olha do alto, das nuvens. Nossa felicidade é maior. Tudo se inunda. Tudo é irrisório, ínfimo, irrelevante e qualquer sinônimo que comece com “i” possível. 
Somos capazes. Inabaláveis.


(2)Quando comemos exageradamente. A calça se aperta em qualquer espaço vago. Ponto constrangedor de abrirmos os botões.
O ar fica denso e escancaramos a janela, se possível. A temperatura dentro de nós se transforma no famoso “Rio 40°”.
Respiramos o mais fundo que podemos, achando que mais ar nos pulmões aumentaria o espaço dentro do corpo. 



E esse segundo momento inclui o primeiro, a da alegria que beira o êxtase. 

*****

Esse texto é um recorte do "Caderno da Doida" - meu caderninho de aleatoriedades não censuradas. 

*****

Um abraço para o mais novo leitor do blog. Leandro, obrigada por me obrigar a colocar a parte funcionante do cérebro para pensar e escrever.